Categories
Audio Sources - Full Text Articles

José Múcio mantém militares de confiança do governo Bolsonaro na cúpula do Ministério da Defesa de Lula

N“Não é uma reação”, apaziguava, na terça-feira passada, dia 17, o ministro da Casa Civil, Rui Costa. Na fala a jornalistas, na porta do Ministério da Defesa, em Brasília, ele buscava desvincular os ataques terroristas de 8 de janeiro da pauta do almoço que acabara de ter com o anfitrião José Múcio Monteiro e os comandantes das Forças Armadas.

O tom conciliatório de Costa foi recebido com sorrisos por um grupo de servidores em cargos de confiança do primeiro escalão do Ministério da Defesa, naquela tarde ensolarada e quente. Tratam-se de seis militares que têm relações diretas ou próximas com o ex-candidato a vice-presidente de Jair Bolsonaro, Walter Braga Netto, filiado ao PL, e o ex-comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas.

Os dois generais da reserva são partes fundamentais da engrenagem que colocou o Exército de volta na política, elegeu Bolsonaro e é suspeita de participar da tentativa de golpe do último dia 8. Braga Netto, segundo o repórter Caio Junqueira, fez reuniões para planejar um (até agora) fracassado golpe de estado.

Mas, decorridos 10 dias dos ataques terroristas – e mais de um mês de sua indicação como ministro de Lula –, Múcio mantém em cargos de confiança gente da estrita confiança do candidato derrotado a vice. Compõem o grupo o subchefe e um assessor do gabinete ministerial, os assessores de Planejamento, Comunicação, Atos e Procedimentos e o secretário de Controle Interno.

Os ocupantes de cargos dessa natureza são habitualmente trocados logo que se inicia um novo governo, para que o ministro empossado monte uma equipe alinhada às políticas públicas que irá executar. Porém, enquanto Lula esbraveja contra os generais para a grande imprensa, ordena a demissão de militares bolsonaristas do Palácio da Alvorada e do Gabinete de Segurança Institucional, o GSI, os homens de Braga Netto e Villas Bôas vão ficando, sem alarde, no primeiro escalão da Defesa.

A pasta foi criada em 1999 por Fernando Henrique Cardoso. Seu objetivo é colocar sob civis a definição das políticas públicas a serem executadas pelas Forças Armadas, além do controle de seu funcionamento – algo corriqueiro em democracias maduras. Porém, sem a criação de uma carreira de servidores civis especializados em políticas de defesa, o ministério nunca funcionou a contento.

Após a queda de Dilma Rousseff, Michel Temer a entregou a um ministro militar, jogando no lixo a função para a qual a pasta foi criada. Com Bolsonaro, os militares se entrincheiraram de vez ali. Devolver o controle ao governo civil é uma das missões esperadas do governo Lula – e sobre a qual Múcio até agora desconversa.

“Zé Múcio é meu amigo de muitos anos, é uma pessoa em quem confio, de muita habilidade política. Ele é um homem que sempre que possível tenta evitar qualquer conflito”, disse Lula, em entrevista à jornalista Natuza Nery. É em meio a esse cenário que Rui Costa agendou para essa sexta-feira, dia 20, uma reunião entre o presidente, Múcio e os comandantes das três forças.

Perguntamos a Múcio, por intermédio de assessores, se ele conhecia as ligações de sua equipe próxima com o bolsonarismo e sua agenda e, nesse caso, por que não fez mudanças. Também o questionamos sobre seu conhecimento da missão do Ministério da Defesa – o controle civil das Forças Armadas. Ele preferiu não responder.

É provável que haja mais gente ligada a Bolsonaro em cargos de nomeação política de escalões inferiores da Defesa, a exemplo da Secretaria-Geral – que não são objeto desta reportagem. A lista a seguir, portanto, não dá conta de toda a situação da pasta.

Soldados brasileiros integrantes do contingente de manutenção da paz da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah) durante patrulhamento em Port-au-Prince.

Soldados brasileiros integrantes do contingente de manutenção da paz da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah) durante patrulhamento em Port-au-Prince.

Foto: Hector Retamal/AFP via Getty Images

Os ‘haitianos’ de Múcio

Cinco dos seis dos assessores diretos de José Múcio nomeados durante o governo Bolsonaro são oficiais do Exército. Três deles serviram na Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti, a Minustah, patrocinada por Lula em seus primeiros mandatos. Tratam-se do tenente-coronel da reserva Jorge Luiz Mendes de Assis, assessor de gabinete; do chefe interino da Assessoria Especial de Comunicação Social, o coronel da reserva Neyton Araujo Pinto; e do capitão reformado Geraldo Calixto de Araújo, assessor de Atos e Procedimentos da Defesa.

A Minustah, acusada de crimes contra civis e violência exacerbada, é vista por pesquisadores das Forças Armadas brasileiras como um laboratório para as operações de Garantia da Lei e da Ordem, as GLOs, que colocaram sob o Exército o comando de atividades eminentemente políticas, como a segurança pública do Rio de Janeiro – com Braga Netto.

O tenente-coronel Mendes foi nomeado adjunto da Assessoria de Apoio para Assuntos Jurídicos do comandante do Exército pouco depois de voltar do Haiti, em 2015. À época, Villas Bôas acabara de assumir, escolhido pela presidente Dilma. Mais tarde, como se sabe, o comandante do Exército foi protagonista da prisão de Lula ao ameaçar o Supremo Tribunal Federal, via Twitter, na véspera do julgamento de um habeas corpus do hoje presidente da República. A Villas Bôas, Bolsonaro já disse dever a eleição em 2018.

Mendes seguiu no posto, segundo o currículo disponível no site da Defesa, até 2021. Em 21 de maio daquele ano, foi chamado para trabalhar no ministério, onde tem salário mensal bruto de R$ 10.373, que se somam aos R$ 22.725 a que tem direito como militar da reserva.

Atual chefe da Assessoria Especial de Comunicação Social, o coronel Neyton Araujo é outro homem de confiança de Braga Netto. Por convite dele, pediu para ser mandado à reserva a fim de se tornar seu assessor na Casa Civil, em abril de 2020. Dois meses antes, o general havia se tornado o primeiro militar a comandar a pasta desde a ditadura. Com a entrega do governo Bolsonaro ao Centrão, Braga Netto foi tornado ministro da Defesa, e levou Araujo a tiracolo.

Quando Braga Netto deixou o governo para ser candidato a vice-presidente com Bolsonaro, Neyton permaneceu na Defesa, onde passou a assessorar outro general truculento, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira – conhecido pelas ameaças e mentiras sobre o sistema de votação, proferidas sempre aos berros. Neste início de ano, ele aproveita as conversas com jornalistas para também defender a atuação de Bolsonaro na pandemia e uma alegada autonomia das Forças Armadas ante o Ministério da Defesa. Tal qual Mendes, recebe R$ 10.373 mensais pelo cargo político, acrescidos ao soldo de R$ 26.108, brutos, de militar da reserva.

Terceiro “haitiano” de Múcio, o capitão Calixto serviu na Minustah entre 2012 e 2013 – à época, o chefe dela era o general Luiz Eduardo Ramos, outro ex-ministro de Bolsonaro e um dos mais radicalizados entre os generais que foram fazer política no Planalto. Segundo seu currículo, depois de voltar do Haiti, Calixto passou a cuidar do orçamento das Forças Armadas na Assessoria Parlamentar do Ministério da Defesa – a turma responsável pelo lobby fardado junto a deputados e senadores, e que atua em coordenação com o Comando Geral. Deixou o posto em 2018. A se depreender do que está informado no site da Defesa, o capitão Calixto teve cargo de confiança na pasta ao longo de todo o governo Bolsonaro – e assim permanece sob Lula e Múcio.

22505891-high-jose-mucio-lula-militares

Apresentação de José Múcio como ministro da Defesa em 2 de janeiro.

Foto: Ministério da Defesa

‘Exército do futuro’ – que nunca chega

O general de três estrelas da reserva Walmir Almada Schneider Filho está no Ministério da Defesa desde 2019, segundo seu currículo. Ainda no governo Dilma Rousseff, entre 2011 e 2015, ele comandou a 7a subchefia do Estado-Maior do Exército, dedicada a “formular as normas e diretrizes para contribuir com a construção do Exército do Futuro”.

São dessa época reportagens que profetizavam um “Exército totalmente reequipado”, a partir da Estratégia Nacional de Defesa elaborada anos antes nos governos petistas – sob a coordenação de dois ministros civis, Nelson Jobim, da Defesa, e Roberto Mangabeira Unger, da Secretaria de Assuntos Estratégicos. “O ano de 2022 é considerado um marco temporal para nós. Pretendemos que o processo de recuperação termine até lá”, prometia Schneider em uma delas.

A partir de 2012, porém, os militares passaram a revisar sistematicamente a estratégia – tarefa em que a 7a subchefia teve papel relevante. Em 2022, como se sabe, o Exército brasileiro estava mergulhado na política, com milhares de oficiais ocupando cargos destinados a civis na administração federal. E, nesta sexta-feira, uma nova “proposta de modernização” deve ser apresentada a Lula.

Apesar disso tudo, o general Schneider segue chefiando a Assessoria Especial de Planejamento do do Ministério da Defesa desde, pelo menos, abril passado. Serviu a um ministro – Paulo Sérgio – muito mais preocupado em fazer política, inclusive antidemocrática, que em assuntos estratégicos. O cargo lhe rende R$ 13.623 mensais, acrescidos aos R$ 31.908 do soldo de general da reserva, em valores brutos.

Atual subchefe de gabinete do ministro Múcio, o coronel da reserva Alexandre Carlos Magnus de Lara desempenhou o mesmo papel sob os três ministros da Defesa de Bolsonaro. Segundo seu currículo, Magnus se formou aspirante a oficial na turma de 1993 da Academia Militar das Agulhas Negras. Fez uma carreira discreta, cujo ápice foi o comando do 32o Grupo de Artilharia de Campanha, a mais antiga unidade de Artilharia do Exército, atualmente sediada em Brasília. Desde dezembro de 2020, é subchefe de gabinete do ministério – serviu, portanto, a Braga Netto e Paulo Sérgio.

Único militar da lista que não é do Exército (e o único na ativa), o vice-almirante Luiz Roberto Basso é secretário de Controle Interno do Ministério da Defesa desde meados de 2022. É outro que ingressou na pasta sob o ministro Paulo Sérgio. Antes, presidiu o conselho fiscal da Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A., a Amazul, estatal criada pelos militares para “promover, desenvolver, transferir e manter tecnologias sensíveis às atividades do Programa Nuclear da Marinha e do Programa de Desenvolvimento de Submarinos”, o Prosub. Os salários brutos de Basso somam R$ 40 mil. Ele recebe R$31.892,64 como militar e R$ 8.174,03 no cargo civil.

The post José Múcio mantém militares de confiança do governo Bolsonaro na cúpula do Ministério da Defesa de Lula appeared first on The Intercept.

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE